Como o Desflorestamento Afeta Nosso Mundo?

O mundo perde mais de 420.000 metros quadrados de cobertura arbórea por minuto, de acordo com dados de 2019. Isso é aproximadamente igual a um campo de futebol sendo desmatado por segundo


Outra maneira para pensarmos sobre esse número é que apenas em 2019 o mundo perdeu árvores suficientes para mais do que cobrir o Reino Unido. Ou seja, são 24,2 milhões de hectares - ou 33 milhões de campos de futebol. Mais da metade dessas perdas ocorreu nos trópicos, que são os ecossistemas com maior diversidade biológica e um dos mais críticos para o clima do planeta.


A humanidade depende das florestas e não presta atenção aos sinais de perigo que elas enviam. Cerca de 30% das florestas desapareceram globalmente e outros 20% estão degradados a ponto de não fornecerem mais benefícios críticos para o clima. As florestas freiam de maneira significativa a poluição de dióxido de carbono, que é o maior causador do aquecimento global. As florestas saudáveis também atuam como filtros que limpam o ar e a água.


De acordo com o World Resouces Insititute, o desmatamento tropical é responsável por cerca de 8% das emissões globais de CO2. A situação é particularmente crítica na Amazônia, onde mais desmatamentos podem quebrar o ciclo da água, que mantém vivas as florestas tropicais, convertendo-as em savanas tropicais. No Brasil, os fazendeiros queimam florestas para criar plantações e gado. Ainda assim, o problema da degradação florestal atinge as nações mais ricas, onde 33% da perda de cobertura de árvores em 2019 ocorreu no Canadá, Estados Unidos e Rússia


Apesar da persistência do desmatamento, as políticas internacionais e nacionais evoluíram consideravelmente na última década para enfrentar esse problema. O Brasil teve vários anos de progresso na redução do desmatamento por meio de reforço da aplicação da lei e incentivos com o objetivo de manter a terra intacta. Porém, infelizmente, esses esforços acabaram sendo paralisados ou revertidos nos últimos anos com a mudança da liderança política no país.



Referência: https://www.bloomberg.com/graphics/climate-change-data-green/trees.html